mover

A Natureza deixa ao homem esta inevitabilidade, a de se mover, enquanto a tez é enrugada de constrangimento e insegurança, num corpo curvado, cheio pelo sorriso malicioso, de quem sabe que tem futuro, que o futuro é seu e ainda o desconhece, embora de corpo recostado, sei-lhe o interior cheio de vitalidade para romper o futuro e cultivar nos campos o pão que lhe arrasará a fome, a ele e principalmente aos seus. Travou-se o início da tragédia.

Franz E., O Fraco, 1ªParte, p.16

sobreiro

Se um dia voltar aqui, estarás? Ou alguém te terá cortado? Ou o vento te terá derrubado? Ou o fogo te terá enegrecido? É só um minúsculo sobreiro, à beira de uma estrada de terra, escondida das grandes viagens, mas que guarda este pequeno sobreiro, à sombra de tantos outros estendidos por ali há décadas. Alguém o irá respeitar?