Pastagens do Céu

John Steinbeck - The Grape of Wrath
 
 
“Não há nada de mais precioso do que  confiarmos em nós mesmos.”
 Pastagens do Céu, John Steinbeck, Capítulo VI, p.101, Livros do Brasil, Maio 2008

Nestas releituras vamos encontrando frases que nos param, sentimos o significado, suspeitamos da importância, mas não sabemos como chegar lá, a essa confiança, como é que confiamos em nós próprios, como é que, quem não a tem a consegue ter? O que fizeram, ou o que fizeram por eles, aqueles que têm confiança em si mesmo? É uma questão de progenitores? É uma questão de medos? É uma questão de não ter medo de nos aceitarmos tal como somos? É uma questão de não ter vergonha do que somos? É uma questão de não ter medo da nossa

opinião? Do nosso próprio comentário? Do que fazemos? Ou melhor, de achar que o que fazemos é o que está certo, sem duvidar. É uma questão de dúvida? De autoestima? É uma questão de alguém [significativo] não ter desprezado a nossa colecção de selos? Ou é apenas equilíbrio?

Continue reading “Pastagens do Céu”