imbecil

Agora corria. À pouco respirava com palavras, agora arqueado, esquivo, à pouco tropeçavam no meu caminho incerto. Sentei-me numa pequena viela depois de ter dali recebido um pouco de silêncio como um bafo fresco. Esperei que o meu corpo parasse, arquejante como explosão, qual lucidez (sabia lá eu o que isso era) Continue reading “imbecil”