livres

“Quando perdemos o direito de ser diferentes perdemos o privilégio de ser livres” – Charles Evans Hughes, 1862-1948

O primeiro Holocausto

Durou vários anos, antes e depois da I Guerra Mundial, e matou quase 1,5 milhões de arménios. A prova podes buscá-la com as mãos. No monte de Margana, nas águas do Habur. As pessoas atadas, desnutridas, famintas, cansadas e nuas eram colocadas num monte acima do rio. Dava-se um tiro numa e o corpo inerte arrastava as outras.

“Quando afastei com os dedos a terra do outro lado da ravina, apareceu um esqueleto inteiro”. Isabell Ellsen, fotógrafa do The Independent, descobriu a prova terrível, passou a mão pela “terra castanha e ficou a olhar para um crânio.”

Continue reading “O primeiro Holocausto”

freedom

Europe must learn, freedom needs to be defended

https://en.wikipedia.org/wiki/Mikhail_Khodorkovsky800px-mikhail_khodorkovsky_in_kyiv

loucura

Qual é a tua? Em que loucura vives?

Quem és nessa loucura? Rei, senhor, guerreiro ou artista?

Qual é a justiça que vive nessa loucura? Só a tua, só a dos outros, ou a nossa?

A que distância fica essa loucura das outras? Aqui mesmo ao lado ou tão longe que nem sequer deveriam existir.

E o que farias às loucuras dos outros? Extreminá-las, ignorá-las ou visitá-las.

E nessa loucura, consegues esconder o agressor ou apetece exterminar?

Vai este planeta doente como vai quando não se ensina a cuidar da agressividade e não se aceita a loucura dos outros. De facto somos loucos, todos, sem excepção. Eu incluso.

 

Esquerda ou violência

Manifestação 15 Set 2012, Praça de Espanha, Lisboa, Portugal
credits by FranzE. 2012

A violência não tem futuro, só se o futuro estiver no horizonte de dez anos ou menos.

Para resolver o assunto em frente à assembleia, a polícia usou a violência porque esse é o modo imediato para resolver o problema. Não o resolve a longo prazo.

O problema que temos em mãos não se resolve atirando pedras a polícias. Eles, como nós, são cidadãos, vivem exatamente o mesmo problema que qualquer um de nós.
O que enfrentamos não se soluciona com violência porque o futuro de Portugal não é de curto-prazo. Obviamente que não se escorrega na ingenuidade. A violência é um dos caminhos possíveis, porque o desespero é real, sobretudo nos jovens onde o desemprego já ultrapassa os 35% em Portugal. E não vendo caminho, decidem-se pela violência.

Contudo, se recuarmos um pouco haveremos de encontrar soluções que abanem o dito “sistema” para que se encontre uma solução que seja partilhada, consensual, abrangente, transparente. De facto, caímos do outro lado, quando quisemos evitar o comunismo: uma ditadura do proletariado em que o individual desaparece. Tornámo-nos desumanos, centrados no próprio eu, egoístas e soberbamente desconfiados.

E se na minha opinião, é importante a ideia de solidariedade e tolerância, também o é a da humanização, bem como a da transparência, do individual e da confiança na pessoa. Portanto, parece-me que a coisa vai estar no equilíbrio entre o individual e o coletivo. Não sei em que ponto exatamente, mas que Portugal, a Europa serão conceitos muito diferentes no futuro a dez anos disso tenho a certeza.

Quanto menor violência tanto melhor, mas temo que se chegue a situação de guerra, porque o ódio e a raiva começam a criar raízes naqueles que desesperados, já nem prato têm.

Outro assunto que cruza este é a questão da sustentabilidade do atual modo de vida europeu/ocidental. A crise passa por ai também. E ainda pelo facto de, povos extremamente pobres estarem hoje com melhor nível de vida. Isso, significa que a Europa não pode continuar com este níveis de gastos energéticos e ambientais como até aqui. E suponho até que o limite de sustentabilidade tenha sido já ultrapassado e que o assunto seja já mundial e não ocidental.

A crise, com ou sem violência, servirá para que nos recentremos no que queremos, e naquilo que é importante. O que queremos? Que Europa queremos? O que é importante? A não ser que queiramos uma sociedade desumana, autocrática, intolerante, insustentável, desconfiada, como já aconteceu no passado. Provavelmente será por esse drama que teremos de entrar novamente antes de nos apercebermos do que necessitamos de fazer.

Sempre que um projeto se apresenta solidário, tolerante, humano, sustentável, num equilíbrio entre o coletivo e o individual, tenho tendência a dizer que sim. Ao contrário, tendo tendência a construir um tricheira.

A descentralização do poder é suficiente para evitar o totalitarismo?

É a minha pergunta intermédia. A democracia proporciona essa descentralização/diversidade que nos permita estar seguros que tal não se repete?

Parece-me que sim, mas não é suficiente? Uma ressalva, considere-se os diferentes poderes como fonte de diversidade ou descentralização: poder político, económico, jurídico, militar, religioso.

Para além disso, necessita de informação credível: os media (agora a internet).

Necessita também de distribuição justa da riqueza.

(…)

Artigo 58

Isso do totalitarismo faz-se usando a lei. Não vá alguém querer esquivar-se dizendo que não sabia por que não ouvira. Assim, está escrito! Ninguém dirá que não sabia. Está escrito! E se mesmo assim se esquecer, a polícia só terá de lembrar o escrito.

Neste caso, o totalitarismo de Staline, tem um artigo com nome, 58. Dentro desse somam-se catorze parágrafos. Definem “crimes contra o estado”. E o castigo a quem não cumpre é típico: fuzilamento ou 10 anos de trabalhos-forçados.

No código penal de 1926, onde este artigo se insere, não existe o conceito de delito político apenas o de “crime”: todos os que não acompanhem as opiniões e directivas do estado são criminosos: não existe opinião.

Parágrafo 1: acções contra-revolucionárias: todas as que tendem a debilitar o poder.

Parágrafo 2: insurreição armada, em particular à tomada do poder ou à separação de cada uma das União das Repúblicas.

Parágrafo 3: Ajuda prestada a um estado estrangeiro que se encontre em Guerra com a URSS.

Parágrafo 4: ajuda à burguesia internacional.

Parágrafo 5: incitar um estado a estrangeiro a entrar em guerra com a URSS.

Parágrafo 6: espionagem.

Parágrafo 7: actividades nocivas à indústria.

Parágrafo 8: acto terrorista.

Parágrafo 9: sabotagem.

Parágrafo 10: propaganda ou agitação.

Parágrafo 11: agravamento das situações anteriores se tivessem sido cometidas numa organização premeditada.

Parágrafo 12: pecado da não denúncia das situações anteriores.

Parágrafo 13: abrangia os que tinham pertencido à polícia secreta czarista (OKRANA).

Parágrafo 14: negligência ou não cumprimento de obrigações.

Fonte: Arquipélago de Gulag, Alexandre Soljenitsine.