“Acordo Verde” Noam Chomski

Esse “acordo verde” significa uma alteração por completo do nosso estilo de vida, antes era apenas o ocidental, agora podemos dizer que é o estilo de vida das grandes cidades e arredores. Há quem não se importe que isto se transforme em Vénus e há outros que acham que devemos preocupar-nos em deixar a Terra para as próximas gerações. Contudo, uns e outros, em geral, preocupam-se pouco com o seu estilo de vida próprio que comporta uma pegada ecológica gigantesca. Quer dizer, os outros é que estão a prevaricar, mas eu posso seguir neste automóvel mesmo que pudesse ter vindo a pé. Todos nós gastamos recursos gigantescos. Só vejo atitudes ecológicas quando seguimos para o interior dos países, onde os recursos, a riqueza, é muito menor. Só quando o custo da gasolina for alto é que passamos a andar de bicicleta. Quer dizer, vivemos depressa de mais. Vivemos o totalitarismo da pressa, cavalgando sobre o tempo: e quando paramos, nem nos lembramos do que estivemos a fazer lá atrás. E porque haveremos de viver assim tão rápido? Porque temos de chegar à próxima cidade em 3 horas? Em 12 ou em uma semana, não chegava? É este puzzle que não entendo: qual é a razão de queremos sempre mais e mais depressa. Sobreviveríamos na mesma.

caducidade

Não sei o que se entende aqui por caducidade, mas se for o que entendo, análogo ao armário com cheiro a mofo, apetece-me dizer que é muito provável que nos aconteça o mesmo. Aos outros aconteceu assim. Envelhecer significa que a tua geografia emocional vai desaparecendo. Alguém dizia que: “com esta idade, os amigos mais próximos já não estão, e os mais novos têm outra vida que não entendo… sempre com as tecnologias pelo meio.” E não sei se é possível controlar isso, mantermo-nos ativos: há quem tenha essas ganas, bem sei, resta saber se nascemos com isso ou não: resta saber se nascemos com a capacidade de não nos aninharmos na falta de sentido, natural, da vida. O que quer dizer que, para viver , é preciso muita coragem. Muita.

Quem sentarias?

Imagina que podes escolher duas pessoas para se sentarem aqui à conversa. Quem seriam?

Sério, seria eu e o Educardo Lourenço, queria ouvi-lo responder às minhas ansiedades. Mas para ele seria um aborrecimento conversar com uma mente tão limitada.

O melhor seria mesmo sentá-lo com o a Elvira Fortunato, e não é por uma questão de paridade de género. É porque são duas pessoas, daquelas a sério, e há muitas neste planeta Portugal, mas que nem liga, elas não precisam de aparecer, mas nós precisamos delas tanto tanto… por exemplo, para uma coisa simples, evitar os vinte mil milhões e a corrupção em que nos vamos afundando. E outras coisas claro.

doisBancosJardim

sentido

A vida não tem sentido. ponto final.

E só o tem se escolhermos um. ponto final.

E logo a seguir vem a pergunta: que sentido? ponto final.

Vou escrever. É esse o sentido, E porquê esse e não outro?

É porque esse livro, humano, aqueles que ficam, não os que mostram ódio, nem na arte, muito menos na literatura. Os museus, as bibliotecas, são arte e cultura humanas, é o que fica.

Neste planeta tão desumano, intolerante, egoista e ganancioso, fica um livro humano, numtempo em que foi escrito humano, um livro que fale de dentro para lembrar ao outro, noutro tempo, que existe e é possível ser-se um certo ser humano: tolerante, generoso e cooperante.

homo

conta-se, estava lá, e confirmo, não são notícias falsas, que um dito “filme japonês”, convenceu uma plateia inteira, com pessoas, não vão dizer que convenceu apenas a plateia e os respetivos lugares, confirmo isso, dizia, convenceu uma plateia inteira plena de pessoas, que entre homem e homem pode haver amor tal como em qualquer outra relação, homem mulher, quer dizer, com conflito, paradoxos, desencontros, mal entendidos, silencios, amuos, alegrias, tristezas, desencontros, reencontros, mal-amor, amor-ódio, e todas as outras possibilidades que numa relação a dois carrega. Para que se saiba, até ali isso de homem homem era coisa do diabo, da moda, do capricho e até doença. E não é não senhor. Vai dai nasce-se assim, e aceita-se ou esconde-se, mesmo de si próprio, mostre-se ou não ao mundo. E sim, nas mulheres ainda não houve filme que convencesse a plateia.

tirar água do mar com uma colher

Não a conhecia, como não conheço tanta gente de coração bom. Ouvi a notícia do funeral. Ficam as palavras. Prémio Shakarov 2009, Fundadora do grupo “Helsinquia de Moscovo”, de pouco se faz muito.

https://pt.euronews.com/2013/06/04/russia-nega-perseguicao-a-ativistas-sociais-durante-cimeira-com-ue

https://en.wikipedia.org/wiki/Lyudmila_Alexeyeva

 

medo

o medo dos outros, acrescenta miséria, desordem, desalegrias, desavenças, intolerâncias, mais medo, maior medo e desorientações imersas, horrores escondidos, bombas latentes, diferenças que se tornam fronteiras, barreiras e muros maiores, até tudo se tornar em guerra quando podia ter sido uma conversa tardia ao sabor de uma refeição que só tu sabes fazer.

amor

Não tens tempo de ouvir a pergunta quanto mais dizer a resposta e já lá estás, uma pulsão abrupta, e só deixas de tremer mais quando estás perto, mas isso chama-se paixão. Dura pouco, não mais que dois anos. Dizem.

Lá para depois da quarta paixão ainda não controlas o que dás. Mas não vais ter ninguém a dizer-te o que fazer, nem sequer uma arma apontada à cabeça, nem é preciso, porque já deste tudo o que tinhas. Se mesmo assim a paixão não dura e o amor não fica, o corpo quebra-se no chão.

Se ficas depois da primeira guerra, depois da segunda aflição, depois do terceiro problema sério, depois da morte, já lhe podes chamar isso maior, amor.

Lá para depois do primeiro amor vais controlar o que dás.

 

it’s killing us and Trump = dictator

Mário Soares

Humanista, homem de liberdade e cultura.