medo

o medo dos outros, acrescenta miséria, desordem, desalegrias, desavenças, intolerâncias, mais medo, maior medo e desorientações imersas, horrores escondidos, bombas latentes, diferenças que se tornam fronteiras, barreiras e muros maiores, até tudo se tornar em guerra quando podia ter sido uma conversa tardia ao sabor de uma refeição que só tu sabes fazer.

amor

Não tens tempo de ouvir a pergunta quanto mais dizer a resposta e já lá estás, uma pulsão abrupta, e só deixas de tremer mais quando estás perto, mas isso chama-se paixão. Dura pouco, não mais que dois anos. Dizem.

Lá para depois da quarta paixão ainda não controlas o que dás. Mas não vais ter ninguém a dizer-te o que fazer, nem sequer uma arma apontada à cabeça, nem é preciso, porque já deste tudo o que tinhas. Se mesmo assim a paixão não dura e o amor não fica, o corpo quebra-se no chão.

Se ficas depois da primeira guerra, depois da segunda aflição, depois do terceiro problema sério, depois da morte, já lhe podes chamar isso maior, amor.

Lá para depois do primeiro amor vais controlar o que dás.

 

it’s killing us and Trump = dictator

Mário Soares

Humanista, homem de liberdade e cultura.

Shimon Peres, Set 2016

sim, sim, criticas não lhe faltam, é mesmo assim, o que quer que faças, alguém criticará, mas este homem, pelo menos tentou a paz entre irmãos vizinhos com uma inimizade visceral que navega de gerações em gerações. O lugar dele não se ocupa. É isso que preocupa. Sei que haverá outro parecido, só espero que aconteça o milagre, Palestinos e Israelitas capazes de partilhar.

http://pt.euronews.com/2016/09/28/ex-presidente-israelita-e-nobel-da-paz-shimon-peres-falece-aos-93-anos

o teu

Pois. Esse é mesmo o teu caminho. Sim. Tu que agora me lês e que acordas a pensar da infelicidade da sorte, aquilo que poderias ter feito e o que fizeste, por onde andaste e não devias, o que és e não queres, onde estás e não desejas, o que tens e poderias ter (o que menos interessa). Aceita. Onde estás, o que fazes e o que és. Se pensas, faz o que pensas. Mas aceita o que és assim, ponto.

setembro 2016, Franz E.

Perguntas cruciais

e outros a pensar noutras perguntas

Guardian, Londres, 2010
O que é a consciência?
O que aconteceu antes do BIG BANG?
A ciência e a engenharia alguma vez nos devolverão a individualidade?
Como lidaremos com o crescimento da população mundial?
Os números primos obedecem a um padrão?
Podemos fazer com que o modo científico de pensar se aplique a todos os campos?
Como podemos garantir que a humanidade sobrevive e prospera?
Alguém consegue explicar conscientemente o significado do espaço infinito?
Algum dia conseguirei gravar o meu cérebro como gravo um programa de televisão?
A humanidade pode chegar às estrelas?
 
Alberto Manguel, Uma História da Curiosidade, p.13, Tinta da China, MMXV, Lisboa.