morre-se todos os dias, vive-se entre os despojos de guerra

Haverá outros lugares emocionais que nos dão alegria e que nos parecem termos sido felizes, ou estarmos a fazer bem: quer dizer, os outros gostam de nós e do que fazemos. Entre o que os outros acham e a qualidade do que fazemos pode haver uma enorme diferença, sendo que a ideia da “sabedoria da multidão”, essa avaliação última, nos derrota sempre: quem és para pôr em causa essa última voz. Tem sido sempre assim, apesar do esforço, há essa arrasto, essa réstea de insatisfação dos outros pelo que és. Apesar das boas intenções e da suprema, entre as melhores, vontade. Certo, certo é que a vida escorre assim e não de outra maneira. Volta e meia andas entre os corpos, vozes e restos do que és e do que te aconteceu. Lamentas. “Lamentarias” é a gasolina da vida e se estás só é porque estás vivo. Habitua-te! E lá seguimos em frente, que não é assim tão positivo, é mais para o inevitável porque isto roda, não pára nunca, e segues mesmo com essas ruínas no teu passado, que te tiram o sono e te fazem escrever isto. Habitua-te. Sim, já estou habituado, mas se a vida vai sendo cada vez mais despojos e se as forças diminuem, não há como limpar este esterco todo. deixa ficar. Passa ao lado, lamenta, segue. Olha para o lado positivo da vida. Bem sei. Mas este lado, esta inundação sufocante, negra, quase bréu, vai como um rio subterrâneo. Habitua-te.

comum5

uma luz, nesse candeeiro

bem sei que havia uma luz, e que por isso há, noutro lugar, mas que eu queria era que ainda essa luz estivesse onde estava. avessos que somos há mudança, que fosse o mesmissimo candeeiro de outrora, por cima da mesma porta. Havia essa luz, num pequeno candeiro, cintilante, quase a apagar-se, reticente, fizesse o tempo que fizesse, no meio dessa tempestade da mais violenta que imagines, mas que estava lá, à tua chegada, no meio da chuva intensa, do vento bruto e quase sem visibilidade, essa pequena luz termitente, estava, dentro desse candeiro por cima de uma porta que se abriria, qual magia, fosse qual fosse a hora a que chegasses, fosse qual fosse o estado em que chegasses, fizesse o tempo que fizesse. Essa porta abraçava-te desde que fosses tu.

medo

o medo dos outros, acrescenta miséria, desordem, desalegrias, desavenças, intolerâncias, mais medo, maior medo e desorientações imersas, horrores escondidos, bombas latentes, diferenças que se tornam fronteiras, barreiras e muros maiores, até tudo se tornar em guerra quando podia ter sido uma conversa tardia ao sabor de uma refeição que só tu sabes fazer.

amor muito diferente

as mulheres amam de modo muito diferente do que os homens

ainda bem

Franz E., 20 ago 2017

o teu

Pois. Esse é mesmo o teu caminho. Sim. Tu que agora me lês e que acordas a pensar da infelicidade da sorte, aquilo que poderias ter feito e o que fizeste, por onde andaste e não devias, o que és e não queres, onde estás e não desejas, o que tens e poderias ter (o que menos interessa). Aceita. Onde estás, o que fazes e o que és. Se pensas, faz o que pensas. Mas aceita o que és assim, ponto.

setembro 2016, Franz E.

vais-te despir em público?

é mesmo isso. escrever é como despir-se em público. ou melhor. quando se publica é mais assim. despir-se em público. nem todos o conseguem. assumir-se. aceitar-se. tal qual. a maior parte das vez escusamo-nos por detrás do “se calhar não é bom”, para quê publicar. mas é mais, não tenho coragem de dizer o que sou e o que penso e de o defender. claro.

não sei

Veêm-se de quando em vez. Trocam um beijo e um olá, falam do tempo e ele pede-lhe um café. Os olhos sorriem, o corpo contorce-se e ela ajeita o cabelo, o sorriso fica por ali à espera da deixa dele. Fazem amor sim, nestes exiguos instantes, já me convenci disso, ao fim de tantos anos a vê-los, são os dois casados e gostam-se de olhar. Nota-se. Mas não é triste, não, são os dois de família, e sabem  disso, é mais importante do que se esconderem numa casa para trocar de corpo. Não, não, não é amor.