uma terra negra para os lados de Marrocos

https://www.rtp.pt/play/p282/visao-global

isto importa

righteous

https://www.yadvashem.org/27th/index.asp

liberdade

300px-Federica_MontsenyPensem os inimigos da liberdade o que pensarem uma sociedade trás em si o embrião de uma nova ordem que lhe sucede.

Federica Montesory, https://pt.wikipedia.org/wiki/Federica_Montseny

 

E  história repete-se, descrito num excelente documentário que passou, obviamente, na RTP 2.

Ao que parece, já ninguém, ou poucos procuram, como Federica o fez, em ser cultos e adultos. Preferimos, em geral, permanecer numa adolescência crónica que invadiu tudo. Parece que temos medo desse mundo do lado de lá. Os outros ficam calados e nada fazem, nem escrevendo uma linha quanto mais alertarem para o que ai vem. Falo dos salazarismo, franquismos, hitlerismo, stalinismos, etc.

Adiante. Muitos como Federica, sofreram, outros sofreram ainda mais e muitos pagaram com a vida. Ao que parece esses tempos estão a voltar. E haverá outras Federicas, e outros e outras ainda que vão ficar esquecidos/esquecidas na história, sem direito a um documentário, mas que se orglharam de lutar pela liberdade. Vamos ver como vais tu reagir?

5

joseDuarte5minutosé bom e pronto, limpa dessa miséria que passa nas rádios e televisão em geral

https://www.rtp.pt/play/p269/e379078/cinco-minutos-de-jazz

 

homo

conta-se, estava lá, e confirmo, não são notícias falsas, que um dito “filme japonês”, convenceu uma plateia inteira, com pessoas, não vão dizer que convenceu apenas a plateia e os respetivos lugares, confirmo isso, dizia, convenceu uma plateia inteira plena de pessoas, que entre homem e homem pode haver amor tal como em qualquer outra relação, homem mulher, quer dizer, com conflito, paradoxos, desencontros, mal entendidos, silencios, amuos, alegrias, tristezas, desencontros, reencontros, mal-amor, amor-ódio, e todas as outras possibilidades que numa relação a dois carrega. Para que se saiba, até ali isso de homem homem era coisa do diabo, da moda, do capricho e até doença. E não é não senhor. Vai dai nasce-se assim, e aceita-se ou esconde-se, mesmo de si próprio, mostre-se ou não ao mundo. E sim, nas mulheres ainda não houve filme que convencesse a plateia.