momento

“há aquele momento em que escrevemos aos outros. Quando os vemos quase a nu, é como se nos víssemos a nu, ou entrevemos nas suas expressões, corporais ou não, por contraposição ao que nós próprios sentimos e escondemos, ou não somos capazes de dizer, por vergonha ou mesmo medo, entrevemos, dizia, o que escondemos, por vezes, de nós mesmo, ou melhor, até temos vergonha de o dizer, ou pensar, imaginar até.” – dizia-lhe, acabando com um gole de cerveja, observando a reação dele. – “porque não escreve sobre isso?” – perguntou – “Não tenho tempo!” – silêncio – “Talvez seja esse um dos objetivos da escrita: escrever o que, por vergonha, preconceito, se não pode dizer.” – Silêncio – “Bom…se não tens agora, não é depois que vais ter; lá em baixo faz muito escuro.” – rematou.

Thank you!

https://www.theatlantic.com/international/archive/2011/06/mikhail-gorbachev-the-west-could-have-saved-the-russian-economy/240466/

Pena que os lideres contemporâneos e, os que lhe seguiram, não perceberam o caminho que este homem grande lhes mostrou: uma europa até ao monte dos Urais e um equilíbrio mundial mais harmonioso.

journalist and pacifist

https://en.wikipedia.org/wiki/Carl_von_Ossietzky

disconnect

Não estamos todos… disconnected?

https://www.imdb.com/title/tt1433811/

Eunice

https://www.dn.pt/cultura/morreu-eunice-munoz-a-referencia-do-teatro-portugues-aos-93-anos-10802151.html

Quem se dedicou toda a vida, por inteiro, a contar histórias, vai fazer muita falta, mas serve de exemplo, para quem vem ou está.

https://www.tndm.pt/pt/calendario/eunice-munoz-uma-licao-de-75-anos-de-carreira/

há um tempo que já passou, um vento que já soprou,

uma hora que não volta, uma porta que já não abre, uma enchada que já não cava,

uma janela que não abre, um frio que se instala, onde voltamos e voltamos e voltamos, e nada,

um portão fechado, cravado ao chão, rodeado de ervas, gravada com tempo,

e tu passaste por aqui, e mesmo que espere o resto de todas as vidas não virás,

Continue reading “há”