Mom. I will tell our story.

https://www.dw.com/en/victim-of-auschwitz-twin-experiments/av-52151522

eliminiacionismo

Parece que nos deixamos estar a pensar que o bem, “o lado Bom”, ganha sempre, e que não é preciso levantar o rabo do sofá, para acordarmos e já estarmos numa situação em que somos obrigados a aceitar estas deformações como parte do quotidiano: o outro, não sendo como eu, que faço parte do status atual, tenho o dever de o esmagar, de o queimar, de o eliminar, como se o eliminiacionismo fosse uma coisa normal, banal, até mesmo uma exigência. Sim sim, o eliminiacionismo acontece, em todo o lado, aconteceu e irá acontecer, podes até matar os teus próprios vizinhos, têm é que ser combatido, todos os dias!

https://en.wikipedia.org/wiki/Eliminationism

27

Foi a 27, não a 31, vai sempre a tempo, em janeiro chora o mundo inteiro, ou devia, mas não, só alguns, poucos, muito poucos, mas que interessa chorar, se melhor é combater, levantar o rabo do banco e dizer que não é esse o caminho, ou então morrer dizendo, porque viver sem ter dito nada deve ser pior, muito pior.

http://www.yadvashem.org/

Os drogados de Hitler

A coisa parece repetir-se com os Jihadistas.

O primeiro Holocausto

Durou vários anos, antes e depois da I Guerra Mundial, e matou quase 1,5 milhões de arménios. A prova podes buscá-la com as mãos. No monte de Margana, nas águas do Habur. As pessoas atadas, desnutridas, famintas, cansadas e nuas eram colocadas num monte acima do rio. Dava-se um tiro numa e o corpo inerte arrastava as outras.

“Quando afastei com os dedos a terra do outro lado da ravina, apareceu um esqueleto inteiro”. Isabell Ellsen, fotógrafa do The Independent, descobriu a prova terrível, passou a mão pela “terra castanha e ficou a olhar para um crânio.”

Continue reading “O primeiro Holocausto”