uma terra negra para os lados de Marrocos

https://www.rtp.pt/play/p282/visao-global

sentido

A vida não tem sentido. ponto final.

E só o tem se escolhermos um. ponto final.

E logo a seguir vem a pergunta: que sentido? ponto final.

Vou escrever. É esse o sentido, E porquê esse e não outro?

É porque esse livro, humano, aqueles que ficam, não os que mostram ódio, nem na arte, muito menos na literatura. Os museus, as bibliotecas, são arte e cultura humanas, é o que fica.

Neste planeta tão desumano, intolerante, egoista e ganancioso, fica um livro humano, numtempo em que foi escrito humano, um livro que fale de dentro para lembrar ao outro, noutro tempo, que existe e é possível ser-se um certo ser humano: tolerante, generoso e cooperante.

isto importa

righteous

https://www.yadvashem.org/27th/index.asp

O que se perde de vez

Há uma voz que disse, vocês europeus perderam o sentido de família, é esse o vosso problema principal. Bem verdade. Ainda vai havendo sintomas de ajudar quem está, ou deveria estar, mais próximo. Não é que seja o problema principal, é um deles. Esta correria empurra-nos, e no fim, estatelamo-nos no chão como perdidos. Há volta nada, ou muito pouco. E nem a poesia te salva do que perdeste. Ficas sabiamente ferido. Para sempre. Dito.

Música e histórias que valem

Mesmo que seja sobre Lisboa, a música internacionaliza, mas as histórias que se contam, sobre Lisboa, contam.

https://www.rtp.pt/play/p1953/e382849/david-ferreira-a-contar-consigo