pai


nesse dia, fugi como um cão danado, cansado, farto, derrotado, não morreria, bem certo, vi-te os olhos, filha, era tarde, numa rua que desce, uma tristeza que afunda mais do que eu, nesses teus escuros olhos, de uma ternura jamais, uma mão pequena, um adeus leve, “quem me vai ler as histórias, pai?” Essas palavras trespassam como uma vara de ferro, sem matar, sangras pela vida toda, sem dizer a ninguém. Em silêncio. Um silêncio que não querias conhecer, nem sabias que existia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s