ficámos orfãos de inteligência


Se perdemos este sábio, o que nos pode ajudar são os seus livros, como mapas que nos guiam no desespero. Quem os lerá? Ninguém. Terão razão. Talvez que não precisemos de salvação e que a vida é mesmo só guerra e fome. Bem sabemos que não é assim.

E são especiais, esses livros. Não há nenhum que não ande a bater, até que lhe vislumbro o sabor e está mais do que isso, uma sabedoria intensa que nos aquece e deixa tranquilos. Ah, era isto.

“Nunca fui leitor de um só livro” disse. Talvez que seja a diversidade que nos alimenta o futuro de alguma tranquilidade e não esta teimosa crispação ao outro que vem na história como óleo nas mãos.

Hei-de passar pelos sitios por onde passaste porque não tive a coragem de te apertar a mão e dizer o prazer que tinha em conhecer-te. Obrigado!

https://www.dn.pt/cultura/morreu-eduardo-lourenco-o-filosofo-que-procurou-portugal-no-seu-labirinto-11408268.html

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s