uma luz, nesse candeeiro


bem sei que havia uma luz, e que por isso há, noutro lugar, mas que eu queria era que ainda essa luz estivesse onde estava. avessos que somos há mudança, que fosse o mesmissimo candeeiro de outrora, por cima da mesma porta. Havia essa luz, num pequeno candeiro, cintilante, quase a apagar-se, reticente, fizesse o tempo que fizesse, no meio dessa tempestade da mais violenta que imagines, mas que estava lá, à tua chegada, no meio da chuva intensa, do vento bruto e quase sem visibilidade, essa pequena luz termitente, estava, dentro desse candeiro por cima de uma porta que se abriria, qual magia, fosse qual fosse a hora a que chegasses, fosse qual fosse o estado em que chegasses, fizesse o tempo que fizesse. Essa porta abraçava-te desde que fosses tu.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s